No dia 12 de fevereiro de 1969 nascia no Brooklyn (Estados Unidos) Darren Aronofsky, filho de americano com descendência russa por parte da mãe. Ainda pequeno, junto com a Irma foi matriculado num colégio judeu. Quando adolescente seus país o levavam para ver apresentações no teatro da Broadway, onde gerou a sua vontade de fazer cinema. Cresceu e viveu por um tempo em um Kibutz em Israel, depois concluiu a graduação de antropologia na universidade de Harvard.
Dentro da universidade se interessou por cinema e quis construir uma carreira de animador, onde fez sua animação tese de final de curso “Supermarket Sweep, em 1991”, ganhando alguns troféus pelo trabalho.
No entanto, teve vontade de filmar um filme sobre seus temas preferidos: Judaísmo, matemática e a obsessão do ser humano, foi onde elaborou o roteiro do que viria a ser o seu primeiro longa-metragem, PI. Com o custo de US$ 60 mil, o seu primeiro filme foi lançando em 1998, não alcançado sucesso de bilheteria, mas de crítica e prêmios.
Uma curiosidade da sua primeira película, que é toda em PB (preto e branco) e o dinheiro da produção foi através da ajuda dos amigos e familiares do diretor, que deram US$ 100 cada um.
Após dois anos, realizou em 2000, seu segundo longa: Réquiem para um sonho, onde também obteve apoio da crítica e não a bilheteria. Uma curiosidade da produção é que contém 2000 cortes. A atriz Ellen Burstyn que fez esse filme e conseguiu a indicação ao Oscar de melhor atriz, disse que esse personagem vivido por ela, foi o que mais gostou de interpretar.
Apesar de não ser um mestre em bilheteria, conseguia manter uma base sólida de uma “quase unanimidade” de opiniões dentro do nicho que consumia seus filmes. Causando a veiculação de seu nome como certa no projeto Batman, até gerando uma quase parceria entre ele e a Warner, porém, pelo estúdio não ter gostando do roteiro escrito por Darren e o autor e desenhista Frank Miller cancelou o contrato. Vindo a ser o Batman Begins, dirigido por Christopher Nolan.
Em 2002 Aronofsky tinha do estúdio Fox um orçamento de US$ 75 milhões para filmar o que viria a ser o seu terceiro longa metragem “A Fonte da Vida”, é tinha como atores encabeçando a história Brad Pitt e Cate Blanchet, mas por um desentendimento de  criatividade, Brad Pitt largou as filmagens para gravar a catástrofe de Tróia. Levando a perda do orçamento e da veiculação por parte da Fox, causando assim, um ostracismo de mais dois anos a espera do projeto.
Só em 2006, com um orçamento de US$ 35 Milhões e a veiculação da Warner Bros e com a substituição dos atores, entrando Hugh Jackman e Rachel Weisz como protagonistas, a sua terceira produção conseguiu ser finalizada.
Para o ator Hugh Jackman esse filme trata-se do mais importante de sua carreira e a fita também foi quando Darren conheceu Rachel Weisz, com quem, mais tarde iria se casar.
Em 2008 o diretor conseguiria enfim entrar para o mainstream de Hollywood, filmando “O lutador”, a história sobre a decadência de um ex-lutador de wrestler. Onde a princípio quem iria protagonizar a trama, seria Nicolas Cage, mas devido sua agenda lotada, a opção ficou a cargo de Sylvestler Stallone, que também não podia estrelar, porque estava em fase de gravação dos “Mercenários”, sem as duas opções, o cargo final ficou para Mickey Rourke, que conseguiu conquistar uma indicação ao Oscar de melhor ator do mesmo ano.
Mas, o auge de sua carreira aconteceu recentemente, em dezembro de 2010, quando estreou nos Estados Unidos, Black Swan – que é traduzido no Brasil, como “Cisne Negro”, estrelado por Natalie Portman e alavancando 5 indicações ao Oscar de 2011, incluído melhor filme, diretor e atriz.
Respondendo uma pergunta, Natalie Portman falou que trabalhar com Darren Aranosfsky foi à realização de um sonho e completou dizendo que ele era o diretor dos seus sonhos.
Darren Aranosfsky utiliza os recursos cinematográficos para fazer seu estudo antropológico do ser humano, consegue utilizar-se dos recursos cinematográficos como poucos, abordando de uma maneira autêntica e poética sobre o comportamento humano. É de valia, registrar dois de seus parceiros ao longo de sua carreira cinematográfica: o diretor de fotografia: Matthew Libatique e o compositor: Clint Mansell. Que juntos, fazem obras primas.
Já esta confimado para 2012, o próximo projeto do diretor, é a continuação do The Wolwerine, que ainda está em pré-produção, no qual terá a oportunidade de trabalhar de novo com Hugh Jackman.
Sua Filmografia e um breve comentário sobre seus filmes:
PI (1998)
“Um trailer assustador da obsessão de um protagonista em busca da perfeição.” – “Tomadas geniais”
“Um dos melhores prolongos que eu já vi” – “Uma das melhores trilhas sonoras que eu já escutei” – “Poético, tenso e cheio de sofrimento” – “Um dos melhores, se não o mais bem estruturado longa que fala sobre drogas” – “O recurso da divisão da tela é genial”
“Lindo retratado sobre a vida” – “Cena memorável de Hugh Jackman falando que está pronto pra morrer” – “Metáforas belas” -“Uma obra prima que beira a perfeição”
“Mickey Rourke soberbo” – “Cena emocionante onde o personagem de Rourke – Randy pedi desculpas para a filha por tê-la abandonada.” – “Um retrato tocante sobre a importância de lutar para viver” – “ Uma cena memorável em que Randy se prepara pra começar em seu novo emprego de empacotador de mortadelas e no caminho que percorre até chegar ao novo trabalho, o áudio faz alusão ao barulho idêntico de um lutador entrando no ringue”
“Sua maior obra prima” – “Nunca vi um ator, ser tão soberbo quando Natalie Portman foi nesse filme” – “ Vemos que é uma obra de arte que deixa em aberto interpretações do publico sobre a trama” – “O maior epilogo que eu já vi”- ‘’estou sobre enfeito da trama até hoje”
Anúncios