Ficção e realidade, duas palavras que se casam facilmente: díficil é distinguir ambas no pós-modernismo: a vida caminha de uma forma que ultimamente elas se misturam a todo instante. A fantasia saiu dos quadros de pintura, dos palcos do teatro e da tela do cinema para encostar e fazer parte de uma realidade.

Em tempos onde fatos extraordinários que parecem ter saído de um roteiro de cinema se tornam realidade confundindo nossa percepção entre o real e o imaginário. Ficção e Realidade de cinema se misturam cada vez mais. Poderia elaborar uma pergunta sugestiva. Será que vivemos num verdadeiro palco teatral, no qual as pessoas interpretam papeis a toda hora?

O cineasta Matías Lira em sua estréia na direção de um longa-metragem não tenta responder tal indagação acima, no entanto retrata de um forma bastante intensa o teatro em sua questão: realidade e ficção se misturando no processo de trabalho. (criação do personagem)

Sexta feira (22 de outubro), quando peguei o guia da 34° amostra de cinema de São Paulo, e havia lido a sinpse de “Drama”, planejei de premissa que assistiria por conta do tema ser relacionado com o teatro. E desse modo, tive a oportunidade de presenciar a seção do diretor.

A peça começa:

Presente na sala cinco do shopping Frei Caneca, lugar onde guardo bastante apresso referente a bons filmes já vistos. A luz se apaga, é vejo uma face bela e concetrada, uma tomada mais ampla é observo o corpo todo, é uma garota, morena, tentando interpretar uma cena, trata-se de Maria (Isidora Urrejola) uma aspirante a atriz, presente num tablado de teatro.

O professor de teatro ignora a sua tentativa e pede sentimento e verdade. Maria necessita de apoio emotivo. Na sua fala, ela mentiu sem convencer: portanto surge um amigo que do tablado a toca, ela inicia uma exaustiva procura pela personagem até … ela conseguir e encontrar.

Mateo (Eusebio Arenas) também estudante de teatro observa tudo. De longe, ele acompanha o sofrimento de sua namorada. O método de ensino do teatro no qual integram, influencia-se nos ensinamentos teóricos do dramaturgo francês Antonin Artaud, se denominando “o teatro da crueldade”. O que significa: atingir uma perfeição na atuação experimentando interagir com a realidade dentro da ficção dos palcos.

Angel (Diego Ruiz) outro estudante aparece no banheiro, onde estavam Mateo e Maria, na hora que travaram uma conversa libertina, por um instante vendo os três contracenando, lembro repentinamente de Isabelle, Theo e Matthew (o trio que integra a obra The Dremers), fato ocorrido devido o comportamento parecido, comparações guardadas em suas devidas proporções. Na noite chilena, o trio elabora um jogo cênico entre eles. Combatendo seus medos, buscando encontrar o personagem da sua própria existência.

Nada sai como esperado, cada um segue o seu caminho, Angel corre atrás de Mateo, em compensação, ele segue assinando sua tag (assinatura) pelas paredes da rua, eternizado seu nome nos muros chilenos, enquanto Maria permanece no mesmo lugar onde estavam buscando o prazer necessário para interpretação.

A vida se transforma num verdadeiro laboratório para eles. Preso dentro de uma trauma infantil, o jovem namorado da moça, percorre seu espaço anual tendo colapsos do passado, que refletem no ódio por seu pai, que nega a verdade sobre sua mãe e ele.

Nas cenas que o grupo teatral ensaiam diante do professor, pode certamente representar as imagens que faltam para o livro “Preparação do Ator de Constatin Stanislavski”, levando em consideração o sentido de professor orientando o aluno na interpretação. Sem aproximar-se na teoria, ambos são disítntos de linguagem teatral, porém caminham pela mesma arquitetura.

Sexo, droga e encenação, os dias seguem assim, nessa ordem. Enquanto Angel descobre sua nova essência, Maria se espanta com a sua e Mateo tenta desbravar o seu passdo. Seá possível, continuar dessa forma? Misturando a vida com a arte?

Mundo Cênico

Após a seção: o diretor estava receptivo às perguntas: achei interessabte o que ele disse a respeito da temática do filme: que a trama aborda o mundo possessivo dos atores que buscam a perfeição em cada instante e a vida, que contém alguns âmbitos que poderm ser confundidos com o palco teatral, exemplo citado foi: a política que contém os variados atores que representam, a população.

Stanilasvski discursava que a atuação é uma forma do despertar de emoções trancafiadas dentro do seu subconsciente, já Artaud defendia a mistura, a perfeição do seu teatro da crueldade. Matías Lira não defende uma causa, somente relatauma história com próprio argumento crítico: o excesso dos jovens em buscar o sucesso.

FICHA TECNICA:

Ano do lançamento: 2010
Dirigido: Matias Lira
Roteiro: Matias Lira, Sebastian Arrau, Eliseo Altunaga
Fotografia: Liguel Loan Littin
Montagem: Soledad Salfate
Musica: Cristian Heyne
Elenco: Eusebio Arenas, Diego Ruiz, Isidora Urrejola, Fernando Urrejola, Benhjamim Vicunã e etc.

Anúncios