“Cabeça a premio” marca a estréia do ator Marco Rica na direção de um longa metragem. Trata-se de uma adaptação do livro de Marçal Aquino, no qual o mesmo assina o roteiro.
Na narrativa, conhecemos um lado pouco explorado no Brasil, em termos de dramaturgia, o centro-oeste brasileiro, Mato Grosso do Sul. Onde, dois irmãos prósperos pecuaristas, Miro (Fúlvio Stefanini) e Abílio (Otávio Muller) vivem. Em meio a esse cenário, os dois acumularam uma quantidade significativa de riqueza, entretanto, esse império se deve por conta de um negocio ilícito que ambos mantêm por debaixo dos panos.
Nesse contexto Miro e Abílio (Coronéis) através dos seus campaguas (Cássio Cabus Mendes e Eduardo Moscovis) resolve todos os problemas que permeiam a cidade.
Favorecendo os “negócios da família”, o piloto Dênis (Daniel Hendler) atravessa do Mato Grosso, até a fronteira da Bolívia, carregando a mercadoria ilegal que alavanca o poder aquisitivo dos coronéis. Paralelo a isso, se envolve com a filha do patrão, Elaine (Alice Braga).
Perto de serem descobertos, Denis e Elaine fogem com o dinheiro da ultima mercadoria pra Bolívia. Prato cheio para ambos serem “as cabeças a premio”. Tornam-se o objetivo de encontro dos campaguas.
Nessa linha rural, Marco Rica, segue parecido com o estilo de direção do cineasta Beto Brant, em todos os aspectos, seja na ocupação ou na forma de dirigir. Em determinados momentos parecia ser o primeiro filme dele, “Os Matadores”.
Não gosto muito do primeiro longa de Brant, Mas, acho que a produção de Rica sobressai em relação a esse longa por um aspecto, a escalação do elenco, o principal atributo para a qualidade da projeção, destaco rapidamente Eduardo Moscovis numa interpretação impecável e Alice Braga bela e competente como sempre.
No entanto, “Cabeça a premio” tem o recorrente defeito de um bom filme brasileiro, é uma obra de arte com o intuito de ser degustada por um grupo especifico da sociedade, nem todos ou quer dizer a maioria dos brasileiros que forem por acaso confrontados com essa fita em sua frente, seja por intermédio do cinema ou por DVD, não gostaram do resultado dela. Isso, porque o conteúdo da historia não traz nenhum artifício que chame o público, além do elenco, ou seja, é uma narração fora do interesse dos demais.
Enfim, divago, É isso. Marco Rica estreando bem em seu primeiro filme.

Anúncios