Ontem, li em um jornal qualquer o seguinte parágrafo: 5X FAVELA É ARTE ENGAJADA SEM SER POLÍTICA. Essa é a frase mais significativa para classificar a representatividade do longa-metragem a frente da sociedade brasileira. No decorrer da matéria, o jornalista estava omitindo a seguinte opinião: que a massa precisa fazer a arte voltar a ser arte, ou seja, no entender (pensamento) deste que escreve aqui nesse espaço, a mensagem era assim: a arte precisa parar de escolher seu público especifico, ela precisa ser passiva e ser compactada por todos, deve haver uma disponibilidade geral por parte dela afim de ser entendida e consumida por um maior numero possível de pessoas.
Sejam bem vindos: essa deveria ser a frase slogan da projeção 5 x favela agora por nos mesmos. O projeto produzido pelo cineasta Cacá Diegues, que se baseia em cinco historias localizadas na favela do Rio de Janeiro, todas realizadas pelos próprios moradores do local, agem como se abrissem a porta da própria casa e convidassem seus convidados, no caso o Brasil. Nesse momento não só entramos no cotidiano desses brasileiros como degustamos a sua arte verdadeira. 

Diegues pretendeu com o seu nome a frente desse projeto, reaver o que deveria ter feito desde o inicio, quando ele e alguns cineastas do cinema novo, como Joaquim Pedro de Andrade realizaram a primeira versão do projeto 5 x favelas. A precariedade carioca abordada pela classe media carioca. Quer dizer, nunca assisti essa película, nem demonstro qualquer repudio em torno dela, com certeza, a obra deve conter a sua qualidade. Porém, entendo que um projeto desse porte seja mais adequando, o próprio objeto de trabalho alavancar o trabalho, significando, a própria favela relatar a sua realidade. É o mais verídico que se pode chegar ao relatar qualquer tipo de abordagem, somente quem vivenciou determinado assunto poderá explicá-lo no sentido de realidade livre de preconceitos conservadores.
É essa obra nova, não só consegue se livrar das amarras do estereotipo, como estimula as pessoas fazerem alguma coisa, se reinventarem a todo instante. 5 x favela é um sopro de inspiração e esperança para as pessoas carentes persistirem em seus sonhos.
De antemão gostaria de citar a minha opinião a favor dessa realização representar o Brasil e tentar figurar-se entre os indicados ao melhor filme estrangeiro no Oscar 2011.
Os episódios:
 
Fonte de Renda: Relata a difícil batalha de um jovem periférico de se manter numa graduação em meios a problemas sociais.

Direção – Manaira Carneiro & Wavá Novais
Argumento – Vilson Almeida de Oliveira
Roteiro – Oficina Cidadela/Cinemaneiro (Linha Amarela)

Elenco:
Silvio Guindane – Maicon
Gregório Duvivier – Edu
Hugo Carvana – Dos Santos
Dandara Guerra – Sofia
Sarita Rodrigues – Mariete
Renzo Aprouch & Carlos Eduardo Nunes – Marlon

Arroz com feijão: É a historia de um garoto humilde se aventurando para tentar ganhar R$ 5,00 para comprar um frango no intuito de festejar o aniversario do pai.

Direção – Rodrigo Felha & Cacau Amaral
Argumento – José Antônio Silva
Roteiro – Oficina CUFA (Cidade de Deus)

Elenco:
Juan Paiva – Wesley
Pablo Vinicius – Orelha
Ruy Guerra – Seu Manoel
Flávio Bauraqui – Raimundo
Renata Tavares – Judite

Concerto para violino: Narra à trajetória de três amigos, que nasceram juntos e que escolheram caminhos diferentes quando cresceram.

Direção – Luciano Vidigal
Argumento – Rodrigo Cardozo
Roteiro – Oficina Afroreggae (Parada de Lucas)

Elenco:
Thiago Martins – Jota
Cintia Rosa – Márcia
Samuel de Assis – Ademir
Feijão – Tizil
Edyr Duqui – Mãe
Jayme Del Cueto – Coronel

Deixa Voar: Flavio empinando pipa a deixa cair do lado da comunidade rival, em meio à pressão dos amigos, encontra-se na missão de buscar a pipa.

Direção– Cadu Barcellos
Argumento – Cadu Barcellos
Roteiro – Observatório de Favelas (Complexo da Maré)

Elenco:
Vitor Carvalho – Flavio
Joyce Lohanne – Carol
Luis Fernando – Buiu
Gleison Silva – Rafael
Luciano Vidigal – Pardal
Marcelo Mello – Alex
Zózimo Bulbul – Homem do Bar

Acende a Luz: Na véspera de natal, uma comunidade do Rio de Janeiro permanece sem luz, afim de solucionar o problema os eletricistas tentam consertar o defeito, no entanto, um deles volta pra casa por conta do horário e o outro e permanecido de refém pelos moradores.

Direção – Luciana Bezerra
Argumento – Luciana Bezerra
Roteiro – Oficina Nós do Morro (Vidigal)

Elenco:
Márcio Vito – Lopes   (Prêmio de Melhor Ator no Festival de Paulínia 2010)
João Carlos Artigos – Cimar
Dila Guerra – Lica   (Prêmio de Melhor Atriz Coadjuvante no Festival de Paulínia 2010)
Fátima Domingues – Maria
Roberta Rodrigues – Renata
Josanna Vaz – Angélica

Sem entusiasmo nenhum, 5 x favelas gerou um confronto de mim mesmo. No sentido de inspiração, de faça você mesmo, a boa idéia se constrói na base de disciplina e fé.
Enfim. Todos deveriam assistir.
Anúncios