Sobrenatural trata-se de uma saga no qual dois irmãos Dean Winchester e Sam Winchester caçam demônios e monstros sobrenaturais. No Brasil é transmitida pelo canal pago Warner Channel e pelo canal livre SBT. Os atores que protagonizam o seriado são Jared Padalecki e Jensen Ackles.
Comecei assistindo “Sobrenatural” embutido de todos os preconceitos vigentes possíveis, lembro ter acompanhando uma boa parte da primeira temporada com o ligeiro sentimento de estar perdendo tempo. Isso, porque, nos primeiros capítulos havia sido atingindo por um cansaço descritível, por conta da pouca vontade de comprar a idéia que historia passava.
Entretanto, ao longo da temporada a temática da serie foi mudando, novos personagens foram inseridos, é agora existia uma linha continua entre um capitulo e outro, o que particularmente agrada num seriado.
Após a segunda, veio a terceira temporada, a quarta e o ápice da quinta, todas consumidas em menos de dois meses, juntamente com a minha namorada. Nessa quinta temporada não houve capitulo ruim, algo, rotineiro nas outras antecessoras, porém, essa foi disparada a melhor temporada do seriado.
Se formos analisar a serie no todo, principalmente o roteiro, talvez exista lacunas expostas, deixando transparecer barrigas explicitas em muitos capítulos, determinando um cansaço em torno do seriado, no entanto, o entretenimento soube como alavancar o sucesso da trama.
Entender em que determinadas horas necessitamos fugir do real, para embarcamos no mundo fantástico, foi o fator principal para ter acompanhando o seriado e ter comprando a idéia. O que chama atenção na serie é as diversas citações que fazem menção a cultura pop norte-americana, por meio dos diálogos dos personagens sobra espaço para fazer uma piada com algum acontecimento histórico ou simplesmente fazer uma analogia de determinada situação lembrando-se de um filme.
Costumo ver ensinamentos de vida, onde muitas vezes não são enxergados por muitos, como por exemplo: no final da quinta temporada, consegui captar a mensagem, ou pelo menos identifiquei da minha forma. Desde o principio da temporada, todos os outros antagonistas em questão diziam o mesmo discurso em relação de como os protagonistas iriam acabar, é o desfecho final da serie, realmente se encerrou de certa parte como todos os antagonistas diziam, entretanto, de certa forma, houve uma força desconhecida por eles impendido do final ser encerrado como haviam previstos.
Bom, tudo isso para fazer a seguinte analogia, em nossa vida também existem antagonistas insistindo e trilhando os nossos caminhos, por serem atingidos por determinadas ações provocadas por nós e por trás delas ameaçam a divulgar o nosso pior lado, todavia, isso é rotineiro é nunca ira acabar, mas não é sinônimo de que algo de ruim ocorrera, num dialogo concreto, estou querendo dizer que não é porque você demonstra certas atitudes errôneas que acabara no fundo do poço, somente, nós sabemos o inferno que cada um vive, dentre essas formas expostas a todos, existem a verdadeira força escondida internamente, longe da visão dos outros, que será recorrente quando precisarmos. No caso da serie, foi demonstrado quando Dean estava morrendo por Sam, possuído por Lúcifer e um objeto remetendo o passado de ambos atingiu o consciente de Sam e o fez causar a morte de Lúcifer, através do seu próprio corpo. Clichê total, mas, nada que impeça e garanta boas doses de sentimentalismo e analogias malucas.  
No diagnostico final constato o seguinte: preenchi o meu tempo muito bem, acompanhando a historia dos irmãos Winchester, livre daquele sentimento impregnado no consciente, de ter perdido tempo com o puro entretenimento. É de antemão estou pronto para sexta temporada, GO GO !!!
Anúncios